Competição Bíblica: um problema ou uma solução?


Como diretor de competições bíblicas em conclaves e congressos de Mensageiras e Embaixadores do Rei aqui no Espírito Santo, sempre tive em mente uma pergunta que, nesses 5 anos de trabalho, venho tentando responder positivamente: nossas provas estão realmente promovendo o crescimento cristão de nossos meninos e meninas?

Pra responder e analisar essa questão, primeiro é preciso que a gente discuta o que é exatamente crescimento cristão. Primeiro: queremos que nossos meninos e meninas conheçam bem a Bíblia. Segundo: queremos que eles vivam aquilo que aprenderam. Bom, as competições são ótimas ferramentas pra que eles conheçam a Bíblia. Já o fato de fazê-los viver, isso cabe ao conselheiro e orientadora local, que devem não somente conhecer bastante a Palavra de Deus como também ser o exemplo vivo pra nossa galerinha (aquilo que Paulo disse em 2 Coríntios 3.3 sobre ser carta de Cristo, escrita não com tinta, mas com o Espírito). O propósito da competição só se completa se o líder local faz a sua parte, mas cabe a nós, líderes estaduais e associacionais a tarefa de estimular essa busca pelo conhecimento através das competições bíblicas.

Quero nesse texto discutir apenas essa primeira parte: a de que a competição bíblica vai estimular a busca pelo conhecimento. Vamos analisar alguns problemas presentes no nosso contexto:

1) Prova realmente serve pra se aprender algo? A ideia de prova como existe hoje nas escolas já é um problemão. Sem mencionar o fato de que para muitos isso é sinônimo de pesadelo, não é segredo pra ninguém que todo mundo estuda pra prova e depois dela esquece o que aprendeu. Responda pra você mesmo: ainda se lembra do que você aprendeu estudando pra prova de história na sua 7ª série? Se você ainda lembra, com certeza aprendeu porque seu professor era bacana, ou porque você gostava muito de história, mas com certeza não foi por causa da prova. A prova tem um fim em si mesmo. Ela passou, perdeu-se o sentido de saber o assunto.

2) Muitos de nossos adolescentes e pré-adolescentes gostam de fazer prova bíblica, afinal temos o estímulo da medalha! Mas repare que no seu grupo tem aqueles que têm medo da palavra prova e não vão topar nunca fazer alguma, limitando-se a torcer pelos outros nos conclaves e congressos. Talvez porque tenham problemas com a escola, talvez com a auto-estima, talvez por outro problema. A verdade é que acabamos por privilegiar aqueles que aprenderam a gostar de prova e deixamos de lado os que fazem número nas estatísticas de fracasso escolar.

3) Desses que topam fazer prova, nem todos sabem ao certo como estudar. Já percebi certos meninos e meninas fazendo pela milésima vez a mesma prova num conclave, cometendo os mesmos erros novamente, sem demonstrar o menor crescimento no que estão estudando (ou deixando de estudar). No fim das contas, se contarmos no dedo quantos estão realmente se dando bem em provas, será que temos uma quantidade significativa no nosso grupo?...

4) Finalmente, temos aqueles que estão sempre no pódio, recebendo medalhas (geralmente os mesmos, infelizmente), garotos e garotas que nos alegram por vermos nele o crescimento intelectual. Mas nesses ainda me pergunto se estão realmente crescendo. Estão sempre ali por que aprenderam o conteúdo ou porque aprenderam a fazer prova? Estão ali porque a cada dia estão aprendendo mais e mais da Bíblia ou porque se tornaram 'feras' naqueles conteúdos específicos e só ganham medalhas sempre na mesma prova? Raros são os Embaixadores e Mensageiras que conheci que colecionam medalhas de várias provas diferentes e que, dessa maneira, estão realmente crescendo. Quando o conselheiro ou orientadora entendem que é legal fazer rodízio de prova entre esses campeões rotineiros, aí sim, o menino ou menina vão longe!

Uau! Quanto problema! Que desafio nós temos nas mãos, penso eu! Tenho refletido muito nisso tudo e, cada vez que me preparo pra mais um conclave ou congresso, procuro pensar num modo de ir modificando esse cenário. Já pensei em me especializar em didática do ensino, mas infelizmente isso ainda está longe do meu alcance. Quem sabe um dia?... enquanto isso, tento modificar de pouco em pouco alguns detalhes para aperfeiçoar nosso sistema.

Créditos: Conselheiro Clauber
http://dcercapixaba.blogspot.com/

 
PORTAL TENHO5IDEAIS | Organização Missionária Embaixadores do Rei | Embaixada Raimundo Fortunato - PIB Vila Garrido